27 de agosto de 2009

A história que nunca foi contada (parte I)

E essa, também começa como toda historinha clichê desse século. Dois jovens (na verdade, adolescentes. Mas não gosto dessa palavra, não sei porque.) se conhecem em uma festa, através de uma amiga em comum. Mais tarde ela entrará em cena, posso garantir. A menina - morena, baixa estatura, longos cabelos cacheados pretos, olhos castanho claro, tímida, do tipo cheia de meiguices. O garoto - moreno, alto, cabelos escuros que andavam sempre emaranhados (do jeito charmoso, ela percebeu), simpático, do tipo extrovertido. Opostos. Tão opostos, que pareciam dotados de uma estranha capacidade de se atraírem. Nada de clichês baratos por aqui, apenas a realidade. Mas, essa estranha capacidade, não foi nem capaz de esperar que eles se conhecessem para entrar em ação.
A garota tímida, estava sentada no sofá. Ela não prestava atenção no ambiente à sua volta, sua cabeça estava cheia de pensamentos enquanto comia vagarosamente o macarrão que estava em seu prato. O garoto extrovertido, a observava desde o início da noite, mas isso não o impediu de continuar conversando e rindo na sua roda de amigos. De repente - não sei dizer muito bem como aconteceu, foi rápido demais - ele já estava sentado no sofá ao lado dela, recostando a cabeça em seu colo e pedindo um pouco de seu macarrão. Ninguém precisou apresentá-los, ele mesmo se apresentou. Ela não precisava que ele dissesse como se chamava, todos falavam nele.
A garota além de ser tímida, é desajeitada. Tinha acabado de conhecer o garoto e já tinha derramado macarrão em cima dele. Coitado. (Não sei ao certo, mas deve ter sido por causa disso...) Ele começou uma "guerra de almofadas". Que ela, muito feliz por ter um motivo para parar de comer macarrão, revidou. - É aqui que a estranha capacidade entra em cena novamente - Como se fossem amigos de décadas, eles começaram a conversar. Sobre tudo. Ele tentava entender como ela conseguia ser tão "diferente" da maioria e ainda assim ser feliz. Ela tentava entender o que o fazia ouvir e gostar de rock-metal.
À essa altura, todos que estavam ali, já tinham percebido o clima mais-do-que-amistoso entre os pseudo-conhecidos. Quem se importava com eles, afinal? O resto da noite continuou assim... amigos de décadas ou recém conhecidos, conversando. A garota tímida - vou continuar chamando-a assim mesmo - voltou para sua casa, na rua de cima, e pensou na noite. Pensou nele. Aquele garoto extrovertido, e seu perfume que ainda estava nela. Lembrou que não precisaram ser apresentados para se conhecerem. Eles se conheciam.

9 comentários:

, pequena notável # disse...

Espero que essa história tenha um final feliz. (diferente dos clichês que normalmente são altamente pessimistas). Para que eu venha aqui e possa me alegrar ao menos com isso.

Lo-Hanna Nunes disse...

Nossa Bêe; adoro seeu Blog, sou sua leitora fiel. E agora abordando um dos meus temas favoritos em uma historia. ADORO! Sou suaa fãaa amiiguinhaa; haha

Jana disse...

Gostei do blog!
E a Bucket List, comecou? :)

Bjo!

Maiçá Chaves disse...

Aiiiin Brenda,
que bom que tu resolveu contar!
Olha como é bom né?
Parece que a gente fica mais...solta..leve por dividir isso!
Mais e ai? E depois dessa noite?
Ja quero saaaaber!
Aguardo os proximos capitulos!

bjus

Priick ; disse...

aaw, que lindo *---*
quero saber como continua *.*'

hm, as descrições físicas do garoto e da garota me trazem lembraças D:

:*

Sarah Caramelo'S disse...

que liiiiiiiiindo! *-*
Estou ansiosa pra ler a parte 2 :D

Juliana Porto disse...

Instantes de uma vida inteira.
E essas coisas acontecem, nada de clichê, real mesmo!
A estranha lei da atração. Da química.
Vai entender?
rs*
Besos.

disse...

Que bonitinho... adoro o começo das coisas. É sempre um mistério e é sempre bonito...
Veremos como termina essa história hunf...

Ítala disse...

(Agradecendo a visita no blog)
poxa que conto legal..
bem.. conheci meu namorado +/- assim...

que essa menina tenha tbm a mesma sorte que eu tive..

bonito o blog.. vou voltar mais vezes..
boa semana